sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

IN & OUT | Janeiro 2014


O "In & Out" está de regresso ao 'Olhar a Televisão', agora com periodicidade mensal. Em jeito de balanço do mês que hoje finda, elegemos o melhor e o pior da televisão nacional. A qualidade, a evolução e a novidade (ou falta dela) ditaram os programas mais in e mais out dos três principais canais em Janeiro.

"Chef's Academy" foi uma das grandes surpresas que a RTP1 apresentou ainda em 2013. A caminhar para o seu fim, o original português produzido pela Shine Iberia e apresentado por Catarina Furtado, emitiu em Janeiro algumas das provas mais decisivas e emocionantes do concurso. O factor novidade, a qualidade do programa, o desempenho audiométrico e, claro, a receptividade do público não podiam ser mais positivos. Uma aposta, efectivamente, ganha.

Na SIC, o grande programa dos domingos, a primeira versão portuguesa de um sucesso mundial, caminha também para o seu fim. E foi precisamente em Janeiro, a começar pela noite de réveillon, que as galas do "Factor X" se começaram a afirmar em termos de produção, realização e qualidade. Ainda que as audiências não tenham sido as desejadas, o impacto junto do público (nomeadamente nas redes sociais) foi considerável. Todos estes factores tornam este programa o mais in de Carnaxide em Janeiro.

Estarão, certamente, a perguntar-se porque razão é que o "Desafio Final 2" não consta como o melhor programa do quarto canal. A resposta é simples, apesar do incontestável desempenho audiométrico, é mais do mesmo, dentro da linha a que a TVI já nos habituou. Novidade? Não há nenhuma. Em vez disso, optamos por eleger como melhor programa a novela "Belmonte" que, mesmo com as trocas de horários (ora mais cedo, ora mais tarde, devido aos diários do reality-show), conseguiu manter a estabilidade.

E agora, os programas mais out. Na RTP, a escolha recai sobre "Aqui Portugal", não pelo programa em si, nem pelo desempenho dos apresentadores, mas principalmente pelo conceito que, de um momento para o outro, o programa ganhou. Depois de um bom produto, para o qual construíram um estúdio excelente, o programa saiu para as ruas num formato em tudo semelhante aos programas das tardes de Domingo dos privados. Mais valia emiti-lo ao Domingo, dizemos nós, porque o conceito novidade, de um programa que até tinha pernas, já não existe.

Perante "Os vídeos mais loucos do Guiness World Records" perguntamos: porquê, SIC? Porquê? Com tantos programas com potencial para os sábados, nomeadamente a excelente série "Downton Abbey" que, inexplicavelmente é cada vez empurrada para mais tarde, porque razão continuam a insistir neste tipo de enlatados? Além disso, a dupla de apresentadores não funciona, nem tão pouco resulta em televisão. A prestação de João Ricardo é muito discutível e Rita Andrade está cada vez mais forçada. Sem dúvida, a maior desilusão da SIC em Janeiro. 

Na TVI, "Destinos Cruzados" está perto do fim. Mas este produto de ficção com actores de renome, estreado em Janeiro de 2013, não tem recebido o melhor tratamento. Além da irregularidade de horário, e de haver dias em que nem sequer é emitida, a trama de António Barreira tem sido arrastada ao máximo. O prolongamento da história só a prejudicou, e não se percebe a transmissão de episódios que nem meia hora chegam a ter. Costuma-se dizer que quem tudo quer, tudo perde, e de facto, a estação de Queluz fez de um produto que podia ter tido um desempenho bastante positivo, um dos pontos mais negativos de Janeiro.

0 comentários:

Enviar um comentário