domingo, 14 de setembro de 2014

"Factor X" | a análise #2.2


Depois da capital chegou a vez da invicta ser o palco das audições do "Factor X". Novas vozes, novos concorrentes e outros estilos mas o mesmo objectivo: encontrar a próxima estrela da música nacional.

São notáveis as melhorias ao nível da montagem e da qualidade de imagem desta segunda temporada do "Factor X" e, como já referimos, as ligeiras mudanças cenográficas não podiam ter resultado melhor. Mas apesar da excelente edição e realização, nunca é de mais relembrar: será que o nível se vai manter até dia 31 de Dezembro? A ver vamos, mas esperamos que sim - embora o principal obstáculo só aconteça daqui a algumas semanas! Por enquanto, apenas lamentamos que um programa totalmente gravado em 16:9 ainda seja emitido em 4:3, com as indesejáveis barras - mas isso já são questões que só à SIC dizem respeito. 
A relação entre os jurados e a interacção destes com os próprios concorrentes proporcionaram esta noite um programa bem humorado, que além da emoção inerente à música apelou também a boas gargalhadas em família - um ponto que evolui em relação à semana passada. Os concorrentes da noite, quer a sul quer a norte, espalharam talento pelo palco e mais nove garantiram um lugar na próxima fase. São eles:

  • Cláudia Cardoso
  • Pedro Moreira e Fernanda Martins
  • Bertílio
  • Andreia Vieira
  • Maja
  • José
  • Sérgio
  • Ashley
  • Marta

Voltemos, agora, à análise. O "Minuto Factor X", exibido diariamente no prime time da estação e disponível no site oficial do programa, merece um destaque positivo nesta temporada, nomeadamente no que às questões gráficas diz respeito. E resulta na perfeição sem apresentador. Ainda assim, peca por não constar num canal oficial do YouTube, canal esse que por cá também não existe. Ou se existe, nunca foi assumido como tal.

Convém desmitificarmos as coisas. Existe na verdade uma conta que, pelos conteúdos, nos parece (a nós e a milhões de portugueses) oficial e que deve, até, ser gerida por algum elemento da produção. No entanto, esta mesma conta nunca foi apresentada como oficial, antes pelo contrário. Quando questionados por nós em Dezembro passado, os responsáveis pela página do Facebook do "Factor X" chegaram mesmo a negar qualquer ligação oficial desta conta ao programa. Ora, se assim é, arriscamo-nos a dizer que Portugal é caso único. Basta percorrer as várias versões do "The X Factor" espalhadas pelo planeta para perceber que em todas elas existe um canal nesta rede, onde são disponibilizados vídeos das actuações, curiosidades, bastidores.

Mas enquanto se decidem entre aceitar este canal como oficial ou a criar um "realmente oficial", nós e milhões de portugueses vamos continuar a visita-lo, até porque nos parece uma opção bem mais simples e bastante mais rápida que os vídeos disponibilizados no site, cuja demora no carregamento chega a roçar o absurdo. 

As redes sociais são, de resto, o grande "Calcanhar de Aquiles" deste "Factor X" - com excepção para o Facebook. E talvez resulte do facto da gestão das páginas e redes dos programas estar nas mãos da equipa online da SIC, o que impede a produtora de chegar mais perto dos conteúdos. Mas estas deviam ser coisas mais pensadas e ponderadas e que podem fazer a diferença no sucesso de um programa. Mais ainda quando outras produtoras, em programas do género, demonstraram que a aposta certa nas redes sociais só beneficia o formato, na medida em que potencia o envolvimento do telespectador. 

Ora vejamos: como é possível que, durante uma semana, o Instagram oficial do "Factor X" tenha sido actualizado com apenas uma foto (colocada durante a estreia)? Não conseguimos perceber. E o caso torna-se ainda mais insólito quando, neste momento, todas as fotografias disponibilizadas no Facebook já se encontram em formato quadrado e contêm uma marca de água. Será assim tão difícil coloca-la no Instagram ao mesmo tempo que a colocam no Facebook? Não nos parece. Valha ao menos que a confusão do Twitter já foi corrigida e, esta noite, o oráculo já continha o endereço da conta correcta.

Esperamos ver estas e outras falhas melhoradas na próxima semana. Mas esperamos mais ainda que tudo de bom que por nós foi apontado se mantenha. Houve muita coisa boa. E uma coisa é certa: esta segunda temporada do "Factor X" tudo tem para ser melhor que a primeira e os primeiros sinais não podiam ser mais claros. Nós aqui estaremos para os analisar.

1 comentário:

  1. Em dois programas ainda não vi ninguém realmente arrebatador, ao contrário do ano passado em que foram muitos os talentos que se destacaram nos dois primeiros programas.
    Mas o maior problema são as decisões dos jurados no passado, sobretudo com a excessiva associação do programa ao ex-concorrente D8, o tal do anúncio que já ninguém aguenta. Sempre que o Paulo Junqueiro diz "Não" a alguém que canta minimamente ocorre-me "no entanto, passou o D8". Ontem quando disse "isto é o Factor X, tem de se cantar", lembrei-me "e o D8?". Falam em versatilidade e diferentes géneros musicais... "D8?". Para mim, esse cromo chegar à final tirou toda a credibilidade e por conseguinte destruiu o programa.

    ResponderEliminar