domingo, 8 de março de 2015

"Got Talent Portugal" em análise | #3

Na terceira semifinal do "Got Talent Portugal" Luís e Inês foram os felizes contemplados com um lugar na grande final, numa gala marcada pelo ritmo, talento e emoção.

Os domingos da televisão portuguesa estão cada vez mais competitivos. Numa altura em que os canais têm que apostar forte para tentar agarrar os espectadores ao ecrã, as galas do "Got Talent Portugal" têm primado pela qualidade. É certo que nem sempre qualidade significa audiências, mas num serviço público de televisão a qualidade têm que ser sempre a prioridade, em qualquer programa.
As vt's dos concorrentes, aliadas aos bons grafismos, continuam a ser um dos pontos mais fortes deste programa. Apesar disso, temos pena que na VT de abertura os espectadores tenham "levado" com os números de telefone dos concorrentes. Se já no "Factor X" criticávamos este ponto, no "Got Talent Portugal" não o podíamos deixar de o fazer, mais ainda pelo facto deste programa ser emitido num serviço público, onde a receita comercial, que embora seja importante, deve ficar em segundo plano.

No que à filmagem diz respeito, destacamos negativamente o plano das gruas feito no final das actuações dos concorrentes. O referido plano, utilizado especialmente nas primeiras actuações, não é o mais indicado, pois estraga o efeito pretendido com as luzes. O melhor enquadramento a usar é o da câmara frontal ao palco, para que o efeito resulte na perfeição.

Convém aqui fazer referência, tal como na semana passada, ao empenho da FremantleMedia Portugal na preparação do palco para cada um dos oito números. Este é outro dos pontos fortes do "Got Talent Portugal" e que, de semana para semana, tem vindo a melhorar.

Ainda antes de passar para os concorrentes, falemos de Marco Horácio e dos jurados. A entrada do apresentador foi boa e engraçada, mas e os jurados? Onde está a entrada em estúdio? Esta é uma das marcas iniciais de cada gala do formato original.Este é outro erro que persiste e que já vem, aliás, de outros formatos. Há que corrigir estas falhas.

Esta terceira gala ficou ainda marcada por um blackout, de que nenhum programa está livre, visto ser em directo, mas foi um entrave que pode ter prejudicado o programa nesta noite. Nesta situação, Marco Horácio também merece destaque, já que quando a emissão regressou o apresentador saiu-se muito bem.

Quanto aos concorrentes, esta foi a melhor gala. Dos 48 semi-finalistas, o lote deste domingo era um dos mais fortes, e achamos que a produção até podia ter dividido estes concorrentes de forma mais equilibrada pelas semi-finais, para que perante outros candidatos com menos potencialidades tivessem mais hipóteses em passar à grande final.

Chegamos ao momento mais intenso da noite e Luís, Inês e as NewGirls foram os mais votados pelo público. Dos três, os espectadores elegeram Luís como o seu número favorito, que garantiu de imediato o sue lugar na final.

Já o futuro de Inês e das NewGirls ficou nas mãos do júri mas, pela primeira vez, houve um empate e a decisão regressou para as mãos dos portugueses. Depois de Luís, Inês foi a concorrente mais votada pelo público, e tornou-se a sexta finalista do "Got Talent Portugal".


Na próxima semana um novo grupo de oito semi-finalistas vai pisar o palco do "Got Talent Portugal" e mais dois vão passar para a grande final.  Quanto a nós, cá estaremos para analisar.

1 comentário:

  1. E os "racords" com os botões do blazer do Marco Horácio. É simples os blazers com dois botões só o botão de cima é que deve ser abotoado. Será que os responsáveis pelo guarda roupa não informam o Marco Horácio?

    ResponderEliminar