domingo, 22 de março de 2015

MasterAnálise | #4

Entre os doces, o frio da Serra da Estrela e o açafrão, a aventura na cozinha do "MasterChef Portugal" chegou ao fim para a Vânia. Restam treze aspirantes a "MasterChef".

Semana após semana, os desafios no "MasterChef Portugal" tornam-se mais exigentes, a competição adensa-se e as primeiras estratégias de jogo começam a surgir. De forma a tornar ainda mais emocionante a competição, a produção tenta surpreender os participantes com mudanças no jogo, numa temporada em que se torna cada vez mais difícil manter-se em jogo.

E se a prova de eliminação é a mais dura pelo facto de um concorrente abandonar a competição, também pode trazer benefícios a quem tem o melhor desempenho - e foi o que aconteceu a Cátia. A concorrente de Cascais ganhou vantagem para a primeira prova da quarta semana da competição e assim, juntamente com os jurados, foi até ao supermercado e teve oportunidade de escolher uma de três opções: o bigode, as raízes ou o novelo de lã.

Cada elemento representava a identidade de um dos jurados, tendo Cátia optado pelo bigode, que pertencia a Manuel Luís Goucha. Perante a escolha, o apresentador seleccionou vários ingredientes disponíveis no supermercado e com eles os concorrentes tiveram que confeccionar uma sobremesa. Mas o que parecia ser doce revelou-se também amargo. Cátia também teve que escolher um dos seus companheiros para fazer a prova em 30 minutos, em vez de 1h, tendo a escolha recaído sobre Leonel. Mas no final, e mesmo com menos tempo, foi o próprio Leonel que com as suas farófias mais adoçou a boca aos jurados, vencendo assim a prova de invenção.

Já em terras de Viriato, mais propriamente na aldeia de Folgosinho, no concelho de Gouveia, Leonel foi chamado a usufruir a sua vantagem por ter ganho a prova de invenção. O concorrente, além da oportunidade de escolher o capitão da equipa adversária, escolheu também que proteína que queria usar: o borrego ou o cabrito. Leonel optou pelo cabrito (para fazer no forno), tendo a outra equipa ficado com o borrego (para fazer ensopado). A juntar ao prato principal, as duas equipas tiveram ainda que confeccionar uma entrada, com o queijo da serra, e uma sobremesa, com o requeijão, para 52 convidados.
Durante o desafio, e apesar do frio intenso da Serra da Estrela, os ânimos aqueceram e de que forma entre os concorrentes. Ao fim das 2h30 de preparação, e depois dos 52 convidados terem almoçado, coube aos habitantes do Folgosinho a escolha da equipa vencedora, tendo sido a equipa azul a feliz contemplada com a vitória.

Elogiamos, desde já, a opção de levar o "MasterChef Portugal" até ao interior de Portugal. É importante descentralizar a televisão dos grandes centros urbanos, mostrando o Portugal mais tradicional e rural. É importante mostrar a beleza tão característica do nosso país tem e o melhor da culinária que há em cada região.

De regresso à cozinha do "MasterChef", a equipa liderada por Leonel enfrentou a prova de eliminação. Como capitão de equipa, o concorrente teve uma dura escolha para fazer: salvar-se a ele ou salvar a dois elementos da equipa, tendo Leonel escolhido salvar a Marita e o Pedro.

Após esta escolha, os concorrentes dirigiram-se para as bancadas e levantaram a caixa mistério, tendo ficado a conhecer o protagonista da prova, o açafrão, que deveria reinar no prato apresentado, fosse ele uma entrada, um prato principal ou uma sobremesa. O chefe Pedro Lemos juntou-se aos três jurados, e depois dos pratos avaliados, Vânia foi a concorrente escolhida para abandonar a competição.


Salientamos ainda nesta análise a excelente ideia do lançamento da revista "MasterChef". É uma mais valia para o programa, e também para os espectadores, especialmente para quem gosta de confeccionar em casa os pratos que viu na televisão.

O ritmo, a edição e a banda sonora escolhida para cada momento do programa continuam a ser dos pontos mais fortes da segunda temporada do "MasterChef". Apesar dos elogios, temos que criticar o descuido que houve nos oráculos, visto que neste quarto episódio detectamos alguns erros.

Na próxima semana, a caixa mistério regressa para mais uma prova e o Museu da Carris, em Lisboa, será o pano de fundo da prova de exteriores. Quanto a nós, cá estaremos para mais uma MasterAnálise.

0 comentários:

Enviar um comentário