segunda-feira, 27 de abril de 2015

MasterAnálise | #9

Entre uma viagem pelos doces e a street food, na nona semana de competição a cozinha do "Masterchef Portugal" despediu-se de Marita e Leonel.

Com as saudades de casa a apertarem cada vez mais, na nona semana de competição os concorrentes do "MasterChef" receberam uma visita surpresa. Filhos, sobrinhos, primos e amigos de palmo e meio marcaram presença na cozinha mais famosa de Portugal para ajudaram os concorrentes na prova da caixa mistério.

Num desafio de muitas emoções (emoções essas que foram exploradas na dose certa pela Shine Iberia Portugal) os doces foram reis e senhores. Até os próprios jurados se deixaram amolecer numa prova que teve no afecto o condimento principal. Depois de provadas as sobremesas os pratos de Ann Kristin, Manel e Marita foram considerados superiores, mas foi a modelo quem levou a melhor, garantindo vantagem na prova de exteriores.

Já em plena vila de Cascais, Ann Kristin teve oportunidade de escolher os quatro concorrentes que, para si, seriam mais fortes para ganhar a competição. Cátia, Manel, Leonel e Sílvia foram as suas escolhas mas, ao contrário do esperado, formaram a equipa adversária (equipa vermelha). Marita, Pedro, Márcio e Marta juntaram-se a Ann Kristin na equipa azul, que teve como vantagem ter mais um elemento. Apesar disso, ambas as equipas acabaram por ficar com 4 elementos, visto que Marita se sentiu mal e não conseguiu participar na prova.
Com uma chegada triunfante de Manuel Luís Goucha, Rui Paula e Miguel Rocha Vieira, os aspirantes a "MasterChef" tiveram que criar o seu negócio de street food. Ambas as equipas, além dos ingredientes já previamente disponíveis para a prova, receberam 150€ para compras no Mercado de Cascais. Cada uma foi responsável pela construção negócio, sendo que no final só o dinheiro angariado (incluindo o que não foi gasto dos 150€) seria contabilizado.

Depois de vários percalços, como é habitual nas provas de equipas, a equipa azul foi a grande vencedora, tendo conseguido um total de 498,40€, face aos 418,90€ angariados pela equipa vermelha. Todas as receitas foram doadas à CRID, uma instituição de solidariedade social. Elogiamos, desde já, a produção do "MasterChef" por esta prova. De uma simples ideia, surgiu uma prova divertida e super atrativa para quem estava em casa a assistir, associada a uma componente solidária que deve ser valorizada.

De volta à cozinha do "MasterChef Portugal", e com a final da competição a aproximar-se, os elementos da equipa vermelha, envergando agora o temido avental negro, mal sabiam o que os esperava. Ainda antes de se saber que os macarons seriam os protagonistas da prova, Marita fez um comunicando aos colegas e anunciou que iria abandonar a competição prematuramente devido a problemas de saúde.

Depois deste comunicado, e revelada que estava a receita pela convidada especial, os concorrentes em prova tiveram duas horas para confeccionar três tipos de macarons: limão, morango e chocolate. Com muitas técnicas aplicadas, e muitas dificuldades envolvidas, chegou a hora da avaliação. E foi Leonel o escolhido para abandonar a competição.


Realçamos uma vez mais a edição e o ritmo imprimido nesta segunda temporada do cooking show, mas que pode e deve ser ainda mais melhorado, tendo como ponto de comparação as várias versões estrangeiras do formato. Ainda assim, a Shine Iberia Portugal, tal como noutras produções em que se envolve, tem apresentado no ecrã um bom produto de televisão. Salientamos, também, a diminuição do uso da voz-off (ponto que temos vindo a debater fortemente nestas análises), embora não seja, ainda, suficiente. Continuámos a defender a ideia de que que a voz-off pode apenas constar nos vídeos inicial e final do programa e pouco mais.

Na próxima semana, novos desafios vão colocar à prova os aspirantes ao título de "MasterChef". Quanto a nós, cá estaremos para mais uma MasterAnálise.

0 comentários:

Enviar um comentário