segunda-feira, 8 de junho de 2015

"Ídolos VI" | a análise #8

Numa noite de actuações intensas marcada por muitas emoções à flor da pele foram finalmente escolhidos os vinte melhores concorrentes do "Ídolos". O grupo está cada vez mais reduzido e apenas doze marcarão presença nas galas.

As provas a solo encerraram a fase do teatro do "Ídolos". Nas últimas semanas o talent-show que pela sexta vez é a aposta do grande entretenimento da SIC foi aqui elogiado pela produção, edição e realização (aspectos que, de resto, se apresentam melhores do que nunca a cada domingo), mas houve também espaço para uma crítica que se tornou recorrente: a aparente falta de talento dos candidatos e o nível mediano das actuações emitidas.

Quando tudo levava a crer no contrário, os ecrãs foram (até que enfim!) invadidos com interessantes escolhas musicais, com boas vozes colocadas em igualmente boas músicas e, acima de tudo, com concorrentes carismáticos que se mostraram capazes de estar em cima de um grande palco. É caso para dizer que o talento que estava escondido resolveu finalmente aparecer, e só esperamos que tenha vindo para ficar.

Coube ao painel de jurados o papel mais decisivo (e temido) da noite: a escolha dos vinte melhores concorrentes. Mais críticos e intervenientes do que nunca, Maria João Bastos, Paulo Ventura e Pedro Boucherie Mendes avaliaram todas as actuações e, sem esquecerem o percurso já percorrido pelos candidatos, escolheram o TOP 20 desta sexta temporada do "Ídolos" (ver imagem abaixo).


Este TOP 20 vai, no próximo domingo, rumar ao MEO Arena, local onde decorreu a derradeira selecção dos finalistas. Serão apenas doze os escolhidos pelos jurados para marcarem presença na tão aguardada fase das galas, que arranca já no próximo dia 21.

0 comentários:

Enviar um comentário