quinta-feira, 5 de novembro de 2015

"The Voice Portugal" em análise | #2.4

O "The Voice Portugal" regressou ao pequeno ecrã para a quarta sessão de Provas Cegas. As equipas começam a ocupar os últimos lugares e restam apenas 17 vagas.

A exigência é cada vez maior, e numa altura em que os mentores começam a ultimar as suas equipas, são cada vez mais os sonhos que ficam por terra no palco das Provas Cegas. Nesta quarta emissão do "The Voice Portugal", e a apenas duas sessões do arranque das Batalhas, 15 concorrentes tentaram a sua sorte mas apenas 10 conquistaram um lugar na competição.
Além das vozes, a noite de domingo da RTP 1 foi ainda marcada por alguns momentos menos felizes, onde se destacou a postura prepotente e altiva de alguns concorrentes (não havia necessidade de tal postura). Mas também a inércia em carregar no botão, designadamente a de Áurea (cuja autonomia em agarrar concorrentes parece estar dependente dos restantes mentores), merece aqui uma nota negativa.

Olhemos agora para a evolução das quatro equipas:

MICKAEL CARREIRA
MARISA LIZ
ÁUREA
ANSELMO RALPH
Anselmo Ralph segue na frente e os 3 lugares vagos na sua equipa podem ser já ocupados no próximo domingo. Empatados numericamente estão Mickael Carreira e Marisa Liz, com 10 vozes conquistadas. Áurea surge em último lugar, com apenas 8 concorrentes, todos eles do sexo feminino.

0 comentários:

Enviar um comentário