terça-feira, 17 de novembro de 2015

"The Voice Portugal" em análise | #2.6

Nas últimas semanas, dezenas de vozes fizeram-se ouvir no palco do "The Voice". De costas, quatro exigentes mentores aguardavam pelos mais talentosos concorrentes do país. Um mês e meio depois, a procura chegou finalmente ao fim.

Ao longo de seis semanas, carisma, talento, trabalho, diversidade e emoção foram as palavras de ordem. Na sexta e derradeira sessão de Provas Cegas, Mickael Carreira, Marisa Liz, Áurea e Anselmo Ralph fecharam finalmente as suas equipas, numa emissão que teve tanto de emocionante como de suspeita. Mas vamos por partes.

O facto de se tratar do encerramento de uma fase fez-se desde logo notar pela necessidade de "despachar" todas as audições em gaveta, resultando na exibição de "packs" de concorrentes com desfechos menos felizes. Nada se pode apontar, de resto, ao ritmo e à edição destes momentos, mas teria sido mais coerente se estes packs fossem recorrentes ao longo de toda a fase (o que não aconteceu) ou se os concorrentes em questão fossem distribuídos ao longo das seis emissões (os mentores até estavam com a mesma roupa e tudo, a edição não sairia certamente dificultada). 
O caso mais gritante deste derradeiro episódio, porém, diz respeito ao polémico "15º lugar" que muito deu que falar ao longo da semana. É indiscutível o talento de Pedro Gonçalves, e mais indiscutível ainda a necessidade de qualquer talent show chegar aos telespectadores com histórias de vida emocionantes - e nisso a Shine Iberia fez o trabalho de casa. Mas a paridade entre todos os concorrentes é ou deveria ser uma máxima de qualquer formato televisivo, pelo menos aparentemente, porque todos sabemos que na prática nunca o foi nem nunca será (haverá sempre "meninos bonitos").

A situação, dirão os responsáveis, será normalizada com a realização de uma batalha a três elementos na equipa de Marisa Liz. Mas explicações à parte, esta decisão (que de inesperada pouco ou nada teve, basta olhar para a larga promoção feita ao concorrente ao longo da emissão) abriu um precedente perigosíssimo para o formato - e disso a RTP e a produtora já não se podem livrar.

(clique no nome do concorrente para rever a actuação da Prova Cega)

MICKAEL CARREIRA
MARISA LIZ
ÁUREA
ANSELMO RALPH
Nas próximas semanas, verdadeiros duelos musicais vão invadir a emissão da RTP 1. No ringue do "The Voice Portugal" só os melhores sairão vencedores, mas pela frente os mentores terão ainda a possibilidade de "roubar" concorrentes das equipas adversárias.

Por agora, e enquanto as tão aguardadas Batalhas não chegam, queremos saber a sua opinião sobre a primeira fase do formato - as Provas Cegas. Participe na primeira grande sondagem desta temporada.

0 comentários:

Enviar um comentário